Home Cotidiano Dia dos Namorados – A história por trás do 12 de junho

Dia dos Namorados – A história por trás do 12 de junho

por Redação EstraBlog

O dia dos namorados, comemorado em 12 de junho, está entre as datas mais importantes do calendário nacional e é, certamente, a mais romântica.

Com centenas de alternativas para presentear seu amor e os mais diversos modos de comemorar esse dia tão importante, o Brasil adicionou essa data especial em seu calendário para homenagear todos os apaixonados. Será?

Apesar do dia de São Valetim ser comemorado nos Estados Unidos e na Europa no mês de fevereiro desde o século V, o Brasil adotou a data de inverno há pouco mais de meio século. Por que dessa demora e por que dessa discrepância na data de comemoração? Descubra a história do dia de São Valentim e a história nacional do dia dos namorados aqui. Boa leitura!

dia dos namorados

Dia de São Valentim

Existem diversas explicações ao longo da história associadas ao início das comemorações e das homenagens aos apaixonados de todo o mundo. Há, ao menos, três figuras emblemáticas comumente reconhecidas como protagonistas na implementação mundial dessa comemoração: em mártir natural do norte da África que morreu em nome de seu amor, um bispo de Terni – cidade próxima à Roma – e Valentim, o personagem mais conhecido e, por isso, mundialmente reconhecido como o padroeiro dos namorados. De acordo com relatos, as três histórias teriam ocorrido entre os séculos III e IV, o que é cronologicamente possível, uma vez que o dia dos namorados passou a ser mundialmente comemorado no século V.

A história das outras duas figuras é bastante imprecisa e carente de informações fidedignas. Por esse motivo, São Valentim foi considerado e é ainda hoje a principal figura para comemoração dos casais apaixonados.

Conheça a história de São Valentim e descubra como o dia dos namorados nasceu.

São Valentim e o dia dos namorados

dia dos namoradosSão Valentim era um padre de Roma que foi condenado à pena de morte no século III. O que teria um padre feito para merecer essa sentença?

Ao que tudo indica, Cláudio II era imperador romano atuante naquele momento. Assim como boa parte da história romana, a cidade estava em guerra e, por isso, precisava de uma grande quantidade de soldados e tropas com alto potencial de luta e defesa.

Com problemas cada vez maiores para vencer as batalhas e defender seu império, Cláudio II decidiu banir o casamento e quaisquer modelos de união no século III. Essa decisão foi tomada após longas reuniões com seus capitães de combate e longas trocas de cartas com seus correspondentes de guerra. O imperador, assim como boa parte dos seus “homens de confiança”, acreditavam que a impossibilidade do casamento faria com que os homens de seu império se tornassem soldados mais obedientes e disciplinados. Sem responsabilidades familiares, Cláudio II baniu os casamentos com o objetivo de construir exércitos mais concentrados e fortes.

À época, Valentim era um padre que atuava diretamente com a população em Roma. Com isso, o religioso via diariamente  as desgraças, os destroços e os rastros de sangue deixados pelas guerras que pareciam não ter fim.

Valentim acreditava no trabalho de Deus sobre os homens e enxergava a união divina – ou seja, o casamento – como uma pequena parte dos planos do Senhor. Para o padre, o casamento era fundamental para trazer sentido à vida e ao mundo, em especial em períodos de ódio e morte, como os que estavam sendo passados por toda a população romana à época.

Colocando os supostos planos de Deus acima do desejo do imperador, São Valentim quebrou a lei e passou a organizar secretamente cerimônias de casamento para os jovens que desejassem se unir. Como não poderia deixar de ser, o padre foi preso e foi condenado à morte tão logo Cláudio II ficou ciente de seu desacato. A prisão ocorreu em 270 d.C.

O santo apaixonado

dia dos namoradosDe acordo com a história, São Valentim apaixonou-se pela filha de um dos carcereiros durante o período de prisão, enquanto aguardava o momento de sua sentença.

 

Quando a data finalmente chegou, o padre enviou à moça uma carta declarando seus sentimentos. Muitos estudiosos acreditam que esse pequeno e despretensioso gesto de Valentim foi suficiente para originar a tradição ainda hoje vigente de enviar cartões para os pares românticos como uma forma de demonstrar amor no dia dos namorados.

 

Não se tem notícias do período em que São Valentim ficou preso e tampouco a data certa de sua sentença. Por esse motivo, o papa Gelásio instituiu a data de São Valentim como um símbolo dos namorados em 14 de fevereiro, aproveitando o período já conhecido como celebração da fertilidade. O objetivo do papa, ao escolher essa data, foi demarcar oficialmente o início da primavera.

O mês de junho e o dia dos namorados nacional

O dia de São Valentim, utilizado para comemorar em todo o mundo o dia dos namorados é alocado nas agendas mundiais em 14 de fevereiro. Sendo assim, a pergunta que parece ficar é: Por que a data dos namorados é comemorada em 12 de junho no Brasil?

O que há na história do Brasil de romântico, dramático ou trágico associado aos amantes para gerar essa data tão descolada do restante das comemorações do mundo?

A resposta é muito simples: Nada.

Não existe nenhum motivo específico que faça com que 12 de junho seja a comemoração do dia dos namorados – à exceção dos interesses corporativos do comércio nacional, que via seus lucros caírem drasticamente no período de inverno ano após ano.

Entenda mais sobre a “construção do dia dos namorados” brasileiro.

Por que o Dia dos Namorados é em junho no Brasil e em fevereiro no resto do mundo?

O dia dos namorados passou a ser celebrado no Brasil apenas a partir do ano de 1948, ou seja, há exatamente 70 anos. Nossa história com essa data é gritantemente recente, quando comparada ao restante do mundo, que a comemora há mais de 15 séculos, ou seja, 1.500 anos.

A razão para o início das comemorações e para a data escolhida é exclusivamente comercial, uma vez que o inverno vinha sendo o período menos favorável para os setores de venda nacional.

dia dos namorados“Construir o dia dos namorados brasileiro” no mês de junho foi ideia do publicitário João Dória – pai do político e ex prefeito de São Paulo, João Dória Jr. O publicitário foi contratado pela loja Exposição Clipper em 1947 com o objetivo de alavancar resultados em vendas durante o mês de junho, uma vez que esse período era o mais fraco para o comércio nacional há décadas.

João Dória fez uso do dia das mães como inspiração e resolveu o problema: “Vamos instituir mais uma data para trocas de presentes”. Com isso, foi realizado uma rápida pesquisa e decidiu-se que a data mais plausível seria no dia 12, por ser véspera do dia do Santo Antônio, já conhecido no Brasil por ser o santo padroeiro dos casamentos.

A primeira propaganda associada a esta data ocorreu ainda em 1947: “Não é só com beijos que se prova o amor!”. No ano seguinte, outras regiões do Brasil passaram a aderir a data e, com isso, o crescimento e a aceitação à comemoração foi exponencial. Em pouquíssimo tempo, o dia 12 de junho passou a ser nacionalmente conhecido como o dia dos namorados.

Conclusão

O que você achou deste conteúdo? Já conhecia a história por trás do dia de São Valentim e do dia dos namorados?

Você também acha que a troca de presentes é fundamental na comemoração de um casal apaixonado? Deixe um comentário e nos conte a sua opinião.

Artigos Relacionados

Gostaríamos de saber a sua opinião. Comente!